Loading...

Translate

domingo, 14 de abril de 2013

Escrevendo na mão de um palhaço... (A linha de trem, a passarela e o avião).


(A linha de trem, a passarela e o avião).


A tarde se confia entre nuvens, chuviscos em promessas de ira em temporal, e o sol ainda querendo terminar o seu espetáculo com o seu “Por”... Que belo ensaio, que bela parceria fazem lua e sol nesta magia chamada crepúsculo......
Amada noite. 

As pessoas passavam cansadas com suas vidas ao meu julgar, normal... 

Mas quem sabe de quem? 

Afinal de contas quem imaginaria que uma mulher com vestido floral e delicado em tons de rosas estaria fazendo uma análise tão bizarra? 

Lá estava ela, o vestido jovial e alegre, estilo a “doce”, um blazer salmão contrastando e realçando o vestido angelical, desses angelicais que custam o suor do cão em uma dessas lojas que as mulheres morrem por um vestido e os homens querem morrer por pagar... 

Assim como os demais, sentia a presença da segunda feira, o céu.. Ah que refúgio, negado, porém almejado até mesmo pelos mais desprezados e vis dos seres vagantes desta Terra... 

Repentinamente um avião em certa diagonal chamara a atenção dela, logo que o avistou, sentiu-se atraída e temerosa (sentimento constante) com o inclinar da aeronave... Sentiu que gostaria de estar lá! 

Olhara para as linhas de trens logo abaixo, já foram caminhos e pensamentos frequentes das mais variadas formas existenciais: locomoção, poesias tristes, pensamentos bizarros e desesperados, graças nunca cometidos... Por segundos sentou-se amarrada por aquelas linhas, que por mais longe que fossem, teriam um rumo previsto e teria percurso tão preciso... Tão constante... 

Temia avião, temia avião! Não temia mais? Claro que não, porque me prender a estes trilhos tão presos a terra, tão “traçados”, queria voar, imprevistos, de preferência os melhores!!! Terras distantes, sem trilhos depressivos! Sem aquelas velhas estações poéticas em que se agarrara desde a infância a se deliciar com tristes estórias de amores separados por um trem. Quero voar! 

J.Mendes. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário